X
Menu
Subscrever newsletter:

Instruções de Travessia

Associação PédeXumbo (Atualizado em: 19 Junho, 2024 )

1. O Celeiro

O percurso começa no pátio do Espaço Celeiros, onde está uma pedra da calçada com o mapa do bairro. Nela, está desenhado o mapa do bairro. Imagina este mapa em tamanho grande, com o contorno feito de farinha de trigo. Agora, imagina-te dentro deste mapa, e dança aí dentro para te preparares para o percurso, aquecendo o próprio corpo e a imaginação. A partir daqui, quando te sentires preparado(a), dá “play” na paisagem sonora (descarregar aqui) e continua a dançar no sentido de sair do Espaço Celeiros, por este grande corredor com espaço de deslocamento do corpo em movimento. Entra no ritmo e boa viagem!

2. Rua de Cicioso

Ao saires do Espaço Celeiros, vira à direita na Rua de Cicioso. Segue em frente e encontra-te com um espelho redondo, localizado na esquina. Observa-te no espelho: tu e a rua, tu na rua. Depois, segue na direção da pastelaria Pão de Rala e experimenta dançar a partir de gestos de
fazer pão. Imagina o teu próprio corpo como algo plástico, maleável, massa de pão. Dança a
partir dessa sensação.

3. Largo dos Castelos

Continua para o Largo dos Castelos e, quando chegares lá, experimenta dançar ao som da dona Clotilde a cantar “Ó Rita arredonda a saia”. Se tiveres companhia, faz uma roda e dança do “Centro ao centro”. Se estiveres só, imagina a roda, dança em círculo, arredonda a saia.

4. Rua dos Castelos

Ao entrares na Rua dos Castelos, aproxima-te da primeira esquina e escuta a dona Clotilde a cantar “juntaram-se os dois na esquina a tocar a concertina e a dançar o solidó”, da Amália Rodrigues. Foi nessa esquina que eu conheci a dona Clotilde, onde conversamos e cantamos essa música.

5. Casa da Joaquina

Agora, aproxima-te do nº 1A, do outro lado da rua. Essa é a casa da dona Joaquina, que faz a
apresentação do belo grupo com quem eu me reuni todos os finais de tarde, para compor essa
coreografia. Escuta a doçura dela na paisagem sonora. Então, aproxima-te do chão da rua e
entrega o peso a este lugar. Experimenta deitar-te neste lindo chão para dançar. Olha para o
fundo da rua e, se for ao final da tarde, elas lá estarão, a conviver e a conversar juntas. Vai na
direção delas, com felicidade, aos saltos. No caminho, passa pelo senhor Joaquim, o barbeiro,
e cumprimenta-o. Ele está sempre a trabalhar.

6. Nº 26

Todo fim de tarde, um belo grupo de senhoras bem dispostas reúne-se ao pé do nº 26 da Rua dos Castelos. É a casa da dona Custódia. Ela benze a cozer em cruz. Escuta essa linda oração. Experimenta dançar como quem costura, remenda e tece o próprio corpo, com afeto e cuidado.

Descarrega o mapa aqui.

 

7. Rua dos Arcos

Na Rua dos Arcos está a cabeleireira Mena, onde eu fiz o meu penteado para a apresentação. São super simpáticas, passe por lá com um sorriso. A seguir, dança a desenhar arcos, curvas sinuosas e espirais. Inclina a coluna em arcos nas várias direções, enquanto atravessas essa rua.

8. Rua D. Augusto Eduardo Nunes

Ao entrar à esquerda, na Rua D. Augusto Eduardo Nunes, estão muitos pauzinhos (postes) para costurar a dançar, enquanto se aprende a oração da Dona Custódia. Dança como quem costura o espaço. Atravessa a rua quando terminares os pauzinhos e vai na direção da Fonte. Refresca as mãos, lava o rosto, escuta o canto dos serafins: são as esculturas que lançam a água da fonte. Na hierarquia divina, os Serafins estão muito perto de Deus. Depois, volta a cruzar a rua e vai na direção da farmácia Diana: alonga os braços na direção da farmácia, como quem busca a cura para algo. Lá de dentro, elas logo sorriem e tudo fica sanado, com alegria.

9. Rua Miguel Bombarda

Entra à esquerda na Rua Miguel Bombarda e aproveita este caminho para dançar todos os ritmos experimentados pela Dona Clotilde na sua juventude, quando ela frequentava os bailes com orquestra: a Valsa, a Marcha, o Tango e o Swing. Escuta-a contar que foi lá onde ela conheceu o seu namorado. Desafio: enquanto danças os diferentes ritmos, procura outra pedra do bairro, que está por aí nesta rua, junto aos teus pés que dançam.

10. Tv. das Peras

Entra à direita na Tv. das Peras e brinca ao jogo da macaca com as pedras do chão. Imagina o jogo, que termina no céu. Brinca às escondidas também nas pequenas portas que se escondem na travessa.

11. Largo da Misericórdia

A Tv. das Peras termina no Largo da Misericórdia, de frente para a Igreja da Misericórdia. Ou começa, porque neste jogo de dança nas ruas, muitas vezes, nós vamos em sentido contrário, de caso pensado. Aqui no Largo, de frente para a Igreja, experimenta dançar como quem reza, mas sente também o peso da autoridade da igreja sobre ti. Diverte-te a dançar entre o céu e a terra, a subir e a cair. Joga com o peso e a leveza. Desfruta deste jogo até ser interrompido pelo telefone público, que toca quatro vezes, do outro lado do Largo. Vai na direção dele, e atende. Tenta falar com Deus: oferece o coração, o pé e as costelas, para que Ele escute. Na frente do telefone público, está outra pedra do bairro, encontra-te com ela, vê o mapa mais uma vez, e continua na direção do Largo d ́Alvaro Velho.

12. Largo d’ Alvaro Velho

Álvaro Velho participou como marinheiro na expedição de descoberta do caminho marítimo para a Índia comandada por Vasco da Gama, em 1497. Experimenta dançar como quem navega mares com grandes ondas, até descobrir outra pedra do bairro que está aí.

13. Tv. da Caraça

Ao entrares à esquerda na Tv. da Caraça, desce as escadas e olhe na direção da parede do lado direito. No alto, está lá uma caraça. Tenta imitá-la. Experimenta outras máscaras com a face. Dança com a musculatura do teu rosto, a fazer caraças.

14. Largo da Graça

O Convento de Nossa Senhora da Graça é um importante monumento religioso renascentista da cidade de Évora. Aos cantos, sentam-se quatro robustos atlantes, que os moradores chamam de os “Meninos da Graça”. Imita a postura dos atlantes, dança no vasto espaço entre as colunas da igreja como se pudesses mover os “meninos da graça”. Dá movimento e graça às posturas monstruosas, aproveita o espaço.

15. Tv. de Landim

Ao percorreres essa travessa, escuta o cantar alentejano, marca o ritmo deste cantar com os pés como faz o coro, na cadência da música. De braços dados, só ou acompanhado(a), vai em frente a dançar esta “terra sagrada do pão”.

16. Rua do Fradique

Entra à direita na Rua do Fradique assim que avistares o limoeiro da casa, que está na esquina. Logo a seguir, está outro. Dá para te pendurares nas suas ramas, depois brincar de cair como um limão maduro no chão, e deliciares-te com os limões que já lá caíram, cheirosos, suculentos e doces. Desfruta o cheiro e o sabor desses limões maduros. Ao dançares por essa rua, dá um rodopio sempre que passares por baixo de um candeeiro. No final da rua, está um sinal de trânsito que parece querer dizer que estás no sentido errado. Olha para ele e vai no sentido contrário.

17. O outro espelho

A Rua do Fradique, em sentido contrário, termina na Rua de Cicioso, por onde começamos o percurso. Ao chegares aí, encontra-te com outro espelho redondo e observa: tu e a rua, tu na rua, outra vez. Passado o percurso, como estás? O que mudou?

18. A formiga no carreiro

Continua para a esquerda e volta a entrar no Espaço Celeiros. Ao regressares para o pátio, dança a bela versão de “A formiga no Carreiro”, de Zeca Afonso, com acompanhamento de percussão e piano, que dão caminhos diferentes ao corpo, criando percursos diferentes dentro da música. Diverte-te a mudar de caminhos enquanto danças no pátio, para estares em movimento neste celeiro, que outrora armazenava trigo e agora armazena dança, teatro, canto e festa.

Um Projeto PédeXumbo | Bolsa «Dançar Ocupando o Bairro Celeiros» PédeXumbo | Estrutura Financiada por DGArtes, República Portuguesa – Cultura | Criação e interpretação: Bárbara Faustino | Paisagem Sonora: Ariel Rodriguez | Apoio à Investigação: João Matias | Mapa «Passo a passo, a caminhar pela Bairro Celeiros»’23 Colectivo Til |  Apoio Câmara Municipal de Évora, União das Freguesias de Évora (Centro Histórico de Évora) | Parceiros de Bairro Antípoda, a Bruxa Teatro, Grupo Cantares de Évora | Parceiro de Comunicação DianaFM | Imagem Cristina Viana | Vídeo Carolina Lecoq | Fotografia Júlia Vilhena, Joana Ricardo, Beatriz Nunes

Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Scroll to top