X
Menu
Subscrever newsletter:

Entrudanças

Associação PédeXumbo (Atualizado em: 9 Novembro, 2018 )

O Festival

O Entrudanças é o Festival de Inverno e de Carnaval da PX que surgiu em 2000 para que o inverno fosse também um tempo de dançar e aprender. Com o pretexto da celebração do Entrudo, durante três dias aprendem-se danças do mundo e outros saberes ligados às tradições, à música, aos instrumentos, ao canto, às manualidades e se baila pela noite fora em bom espírito de folia carnavalesca. Évora foi durante quatro anos o palco do festival, que se repartia entre as muitas salas da SHE (Sociedade Recreativa Eborense), outros espaços culturais então existentes em Évora como a Casa Amater, e a Praça do Giraldo, onde terminava o desfile do último dia. Em 2004 o Entrudanças foi de corpo e alma para Entradas, vila do interior alentejano, no concelho de Castro Verde. O nome encaixou na perfeição e o festival, na sua nova localização no centro desertificado e preservado do Alentejo, continuou a atrair gentes de Portugal e da Europa a convergir a um espaço de encontro, onde, ano após ano, se estreitam laços através do trabalho que se vai desenvolvendo com a comunidade local, tocando gerações e atravessando o tempo. O Entrudanças é assim uma festa de muita alegria que junta às tradições do Entrudo a música e a dança, numa festa que é partilhada e vivida por todos.    

Lucerna…a alumiar o Entrudo

São mais de vinte mil as pequenas Lucernas que voltaram a ver a luz do dia, depois de terem sido descobertas em Santa Bárbara de Padrões, concelho de Castro Verde. Do que se sabe da História, ali teriam sido depositadas, num local de culto, um santuário talvez, relatando mais de trezentos anos de uso, entre os séculos I e III, quando Portugal – que ainda não o era –, se regia pelas leis que sopravam de Roma.

E há mais que nos contam estes pequenos objetos silenciosos, depois dos estudiosos se dedicarem a ouvir-lhes a História. De que vêm de muitos sítios. De que o material do qual são feitos atesta às muitas, ou poucas posses de quem ali os deixou. De que as cenas neles inscritas nos transportam numa viagem entre a mitologia e a vida quotidiana. De que as diferentes matérias usadas para a combustão nos falam do tempo em que se usava o azeite, a cera de abelha e diferentes resinas como fonte de luz.

Em 2019 o Entrudanças decorre de 1 a 3 de março, evocando a Lucerna, numa homenagem à luz e à história da região. Celebremos a noite que se faz dia. O pavio e o Sol, cujas chamas se transformam em luz. A claridade e a sombra, que em compasso marcam o tempo dos seres vivos. Sintamos assim a festa do Entrudo como a festa da luz e o pretexto para percorrer a sua simbologia, na marcação dos dias frios e escuros do inverno, que em breve darão espaço aos dias luminosos da primavera a caminho do verão. A Lucerna como lamparina mágica, dos desejos e sonhos que se tem para o futuro. A candeia, feita de barro, iluminada pelo azeite, frutos da terra, intrinsecamente ligados ao Alentejo e à mestria humana.

Aproveitemos estes três dias de festival para viver o Entrudo na planície alentejana com programação diversa onde a dança, a música, o cante e a gastronomia são o mote. Celebremos esta festa no seio de uma comunidade, que há muito recebe de braços abertos quem a visita para mais um Entrudanças. Aceitemos também o convite para visitar os espaços museológicos como o Museu da Lucerna em Castro Verde, único no mundo, ou o Museu da Ruralidade, em Entradas, redescobrindo as searas onduladas ao ritmo dos nossos pés e sentidos.

A programação é extensa, e permite que se explorem as diferentes propostas artísticas nacionais e internacionais, que transformam o festival num espaço aberto de diálogo intercultural. Celebremos assim o nosso passado e os objetos que a ele nos ligam, e sigamos a luz da Lucerna, que este ano vai alumiar Entradas e guiar-nos rumo a um Entrudo muito bem passado!

O Entrudanças é um Festival organizado pela PédeXumbo, Câmara Municipal de Castro Verde e Junta de Freguesia de Entradas.

O festival realiza-se com a colaboração e o apoio de diversas entidades:

Agrupamento de Escolas de Castro Verde
Associações de Cante do Concelho de Castro Verde
Cortiçol
Grupo Coral as Ceifeiras
Grupo Coral As Atabuas
LPN
Sociedade Desportiva e Recreativa Entradense
Sociedade Filarmónica 1º de Janeiro

Apoios:
União de Freguesias de Castro Verde e Casével
Rádio Castrense

Edições anteriores:
2000 | 2001 | 2002 | 2003 | 2004 | 2005 | 2006 | 2007 | 2008 | 2009 | 2010 | 2011 | 2012 | 2013 | 2014 | 2015 | 2016 | 2017 | 2018

No Entrudanças há uma importante componente dedicada à comunidade local. Nas semanas que antecedem o Entrudanças, desenvolve-se um trabalho artístico-comunitário com a população local, que reforça o seu sentimento de pertença ao projeto e posteriormente se revela na hospitalidade com que os participantes são recebidos.

Em 2019 o projeto desenvolvido com a comunidade foi inspirado no tema “Lucerna

“Viajaremos anos-luz, daremos a volta ao universo, a partir destes mesmos olhos, até chegarmos dentro do nosso peito”
Ângela Rocha

A partir do tema Lucerna, a Luz tornou-se guia para o desenvolvimento do projeto de criação artística com a comunidade de Entradas e Castro Verde.

Ao longo de seis semanas foram exploradas plasticamente diferentes facetas da Luz. Começou-se pelo Sol, como deus e fonte de vida, guia do tempo: construiu-se um relógio de sol, formando um ciclo de luz, desde o nascimento do sol até à noite. Observou-se o mundo através das cores favoritas dos participantes, descobrindo-se o Sol da música, os bichos fotoluminescentes e a luz negra, o arco-íris, as auroras boreais. Escreveu-se com luz e foram desvendadas as mensagens da tinta invisível, viram-se os relâmpagos e as estrelas cadentes, e tanto mais.

Para que esta viagem se torne realmente luminosa, será partilhada com todos. Assim, durante o desfile, a luz será celebrada, tentando expandi-la em reflexos nas paredes, acompanhada por ritmos e letra dos participantes, culminando na apresentação final de uma história luminosa que foi construída página a página ao longo das semanas e que será apresentada pelos próprios alunos.

Este projeto foi dinamizado por Ângela Rocha nas artes plásticas e por Miguel Fevereiro nas artes musicais, com o apoio da equipa PédeXumbo e com a brava participação da Associação ART, da Escola primária de Entradas – pré-primária e 1º ciclo, da turma do 2ºB do Centro Escolar nº2 de Castro Verde, do Lar Frei Manoel das Entradas e comunidade de Entradas.

Vídeo do projeto iLUZão

O Entrudanças acontece na vila de Entradas, em diferentes espaços e que são um convite a que explore e descubra a simpática vila de Entradas.

CENTRO RECREATIVO DE ENTRADAS, onde acontecem os bailes, as oficinas de dança e onde está localizado o secretariado, a bilheteira, o bar e a cantina.

TENDA 1, dentro do Centro Recreativo de Entradas, onde decorrem Oficinas de Dança

MUSEU DA RURALIDADE, é o local para concertos, oficinas, exposições,filmes e a  taberna onde canta e se provam petiscos da terra.

PRAÇA ZECA AFONSO, onde decorre muita animação de rua, Cante Alentejano, e há uma feirinha de artesanato.

ADEGA DAS CEIFEIRAS, espaço onde se pode comer, cantar e estar em grande convívio numa grande cozinha com fogo de chão.

BIBLIOTECA, é o local para apresentações, conversas, e é onde se localiza o espaço dedicado às crianças.

TABERNA DO PEDRO FEIO, local de convívio e animação, onde se pode comer e beber.

ESCOLA PRIMÁRIA, onde se realiza a oficina de gastronomia.

Informações Gerais

  • Os bilhetes para o Entrudanças são adquiridos no Centro Recreativo de Entradas, durante o evento.
  • Bilheteira aberta a partir das 18h00 do dia 1 de março.

Bilhetes para Residentes do Concelho de Castro Verde
Passe completo: 14 euros
Bilhete 1 dia: 6 euros
Bilhete Noite: 5 euros
*Para usufruir deste desconto deverá apresentar um documento que comprove a sua residência, BI, carta de condução, cartão de eleitor.

Bilhetes regulares
Passe completo: 30 euros
Bilhete 1 dia: 15 euros
Bilhete Noite : 10 euros

As crianças até aos 12 anos (inclusive) não pagam bilhete.

Os Sócios PX têm um desconto de 20% no passe ou nos bilhetes diários.

Associações Parceiras têm desconto de 20% apenas no passe de três dias. As associações estão obrigadas a enviar previamente a listagem dos sócios e alunos propostos e estes deverão dirigir-se à bilheteira do festival com identificação.

O ALENTEJO É CONHECIDO PELA GASTRONOMIA. APROVEITE O ENTRUDANÇAS PARA SABOREAR OS SABORES LOCAIS.

No CENTRO RECREATIVO DE ENTRADAS há um refeitório onde são servidas refeições vegetarianas e não vegetarianas.

A ADEGA, espaço gerido pelo grupo Coral Feminino Ceifeiras de Entradas durante o Festival, serve refeições deliciosas e um pequeno almoço muito especial onde entre outros preparados, encontrarão fatias douradas, torradinhas e café da avó preparados à lareira.

A TABERNA DO MUSEU DA RURALIDADE tem um cardápio recheado com petiscos locais.

Há ainda muitos cafés e tasquinhas em Entradas que pode explorar ao rirmo de um baile ou de uma conversa animada, entre amigos, petiscos e um bom copo de vinho.

Acrescentam-se ainda as seguintes opções de restauração em Entradas:

Restaurante A Cavalariça
Rua do Paço, nº 14
7780 – 341 Entradas
Tel.: 286 915 491

Restaurante O Celeiro
Rua da Feira
7780 Entradas
Tel.: 286 915 200 / 966 287 687

 

 

 APROVEITE O ENTRUDANÇAS PARA USUFRUIR DE UMA ESTADIA DESCONTRAÍDA NO CORAÇÃO DO ALENTEJO.

Em Entradas
Acampamento gratuito em área coberta
Será providenciado um espaço em acampamento seco, que permitirá acampar em área coberta. Será necessário trazer todo o material de campismo: tenda, saco-cama, almofada, roupa e agasalhos quentes, que pode fazer frio em Entradas. Neste espaço não é permitido colocar as estacas das tendas. Haverá chuveiros com água quente e WC. Contiguamente a este espaço haverá também um espaço para campismo ao ar livre. Ao contrário de anos anteriores, este ano o Campo de Futebol não estará disponível para acampamento.

Casas em Entradas
Para mais informações e reservas, contactar Luís Gonçalves – 926 713 211.

Castro Verde
Parque de Campismo de Castro Verde
(possibilidade de acantonamento)
parque.campismo@cm-castroverde.pt

Outros alojamentos locais 

As coordenadas GPS de Entradas são N 37.77165° | W 7.98109°.

Mapa Google

Do Norte: Seguir A2 sul -> saída IP2 Castro Verde/Mértola -> passa por Castro Verde e segue em frente -> vira na primeira à direita para Entradas

Do Sul: Segue A2 norte -> saída IP2 Castro Verde/Mértola -> passa por Castro Verde e segue em frente -> vira na primeira à direita para Entradas

Aconselhamos todos os participantes a planearem a sua viagem e a optarem por formas mais sustentáveis para chegar ao Entrudanças.

Para quem vai viajar de carro, sugerimos a partilha de boleias, uma forma mais ecológica, económica e convivial de viajar! Existe um grupo no Facebook para o Entrudanças, para facilitar a partilha de boleias!

Para quem prefere os transportes públicos pode viajar com a Rede Expressos para Castro Verde.

De Castro Verde a Entradas (10 kms) há a opção de taxi, na Praça de Taxis (286 322191, entre 12 a 15€ – Castro Verde a Entradas).

Os horários desde Lisboa são os seguintes:

Lisboa – Castro Verde
07h00 (Exceto sábados, domingos e feriados)
11h45 (Diariamente)
14h00 (Sextas e domingos)
15h00 (Domingos)
18h00 (Exceto aos sábados)
22h00 (Domingos)

Castro Verde – Lisboa
08h25 (Exceto aos sábados)
10h15 (Diariamente)
13h15 (Exceto aos sábados)
18h45 (Exceto aos sábados)
19h25 (Sextas e domingos)

Para que o Entrudanças seja possível, todos os anos cerca de 16 voluntários ajudam com um contributo único. São 4 horas diárias de trabalho, que dão direito à entrada no Festival e a uma refeição por dia. As tarefas são várias e podem relacionar-se com bilheteira e informações, controlo de Entradas ou apoio à programação.

Os voluntários deverão ter disponibilidade entre as 16h30 do dia 1 de março e as 23h59 do dia 3 de março.

AS CANDIDATURAS PARA O VOLUNTARIADO AO ENTRUDANÇAS.2019 DECORRERAM DE 4 A 15 DE FEVEREIRO.

RESPOSTAS A TODOS OS CANDIDATOS ATÉ DIA  20 DE FEVEREIRO.

ÁREAS DE TRABALHO

Bilheteira e informações
Venda de bilhetes; Receber inscrições para as atividades que tenham limite de pessoas; Dar informações sobre o festival e serviços; Entregar convites; Venda de merchandising; Contabilidade das vendas.

Controle de Entradas
Ver se as pulseiras são válidas para o dia; Dar informações sobre o festival sempre que forem solicitadas; Não permitir a entrada de pessoas sem pulseiras.

Apoio à Programação
Dar apoio aos artistas das oficinas ao nível de material necessário e tudo o que pedirem; Dar informações sobre o festival e as oficinas; Assegurar que os artistas no palco e os monitores das oficinas têm águas; Encher os vários dispensadores de água; Manutenção dos camarins (instalação, aprovisionar em águas, frutas e barras de cereais, limpeza dos camarins, pôr os nomes dos grupos nas portas dos camarins); Assegurar que as oficinas, testes de som, concertos e bailes começam e acabam nos horários previstos.

Recolha seletiva
Manutenção dos lixos; Sensibilização para a separação de resíduos.

Na PédeXumbo acreditamos que a demonstração e partilha de melhores práticas ambientais, sociais e económicas contribui para o desenvolvimento de uma consciência e de uma cultura mais sustentáveis – Carta de Compromisso PX.

A escala de proximidade do Entrudanças é facilitadora da adesão dos participantes a melhores práticas para um consumo e modos de vida mais sustentáveis.

Redução de descartáveis
No Entrudanças procuramos reduzir o mais possível o uso de copos, pratos e talheres descartáveis, usando loiça reutilizável. Há canecas para cada participante poder usar durante o festival (evitando os copos de plástico descartados a cada utilização…). Obtenha a sua caneca no próprio festival, por empréstimo com caução. No final pode devolvê-la, reavendo o seu dinheiro. Ou traga a sua própria caneca de casa (capacidade até 20 cl, o material e a forma podem ser diversos).

Redução do desperdício de comida
No Entrudanças incentivamos a redução do desperdício alimentar através da dose certa, sensibilizando as pessoas para pedirem apenas a quantidade de comida que irão consumir, não a desperdiçando no prato.

Sugestões para uma mobilidade mais sustentável
A partilha de carro/boleia ou a deslocação em transportes colectivos tem inúmeras vantagens, além das económicas e ambientais (como a redução de emissões gasosas e de energia consumida), também as sociais, por exemplo ficamos com mais tempo e disponibilidade para os outros e para apreciar o que nos rodeia. No Entrudanças tentamos lembrar estas opções e que são sobretudo uma questão de consciência, de motivação e de planeamento antecipado.

Programação 2019

Programa sujeito a alterações.

Versão PDF

  

LEDOK [PT]

Respeitando o tradicionalismo coreográfico, os Ledok buscam sonoridades novas, carregando
influências da música clássica, popular brasileira, jazz, folk e canção. Constantemente abertos e ecléticos, exploram um universo musical subtil à procura de harmonias inesperadas.
O grupo nasce num bairro lisboeta em 2013, filho das cores e dos aromas deste lugar, é mistura de muitos lugares: as diferentes culturas e percursos dos músicos se transformam na sonoridade única das suas composições originais.
Os Ledok acreditam que a música e a dança é um dos diversos caminhos para a união entre as
pessoas e entre as culturas, e na multiculturalidade que é a raiz da paz.

DUO DE SCHEPPER-SANCZUK [BE]

Duo De Schepper-Sanczuk é uma dupla de música folk criada em 2015 pela violinista Anouk Sanczuk e pelo guitarrista Florian De Schepper.
Música francesa, folk irlandês, choro brasileiro e tonalidades dos Balcãs são exemplos da inspiração que se encontram nas suas músicas. “Perron 12”, o seu album,  expande os limites da música folk através de melodias animadas, enérgicas, mas também intimistas e líricas.


NAT u RA [PT]

“Quinta? Quinta-feira? Sim posso!
Foi assim que numa brincadeira de tardes aqui e acolá que foi surgindo a vontade de partilhar a relação bonita entre uma Castagnari e uma Loffet. Uma tocada pelas mãos do encantador de sons Rafael Gomes e outra nas mãos da bucólica Natércia Lameiro. Num dueto de dois pulmões cantantes…

Os NATuRA surgiram em Maio de 2017 como um dueto de música neofolk. Restaurando alguns temas populares e compondo muitos outros para serem bailados, os NATuRA criaram assim a sua identidade musical viajando desde a sua terra natal até às sonoridades mais exóticas brasileiras ou ainda ao século XVII Francês.
Desde então que têm vindo a tocar em espaços como Fábrica do Braço de Prata, MUSICALMENTE, Espaço Celeiros em Évora, Festival Andanças, Festival a Porta, entre outros.

LA BASE DUO [FR]


Didier Oliver e Joachim Montbord percorreram caminhos musicais distintos mas encontraram-se numa sintonia musical da qual resultou La Base Duo. A força deste duo é o ecletismo das suas influências e que resulta num som de Baile Tradicional da Gasconha com uma original sonoridade.
Didier está aos comando dos violões, boha, flautas e canto e Joachin do cuatro, boha, tambor e voz.

 

 

 


FORRÓ POWER TRIO [BR]

Baile de Forró com um trio do Espaço Baião, onde os participantes poderão dançar e experienciar o melhor do Forró. Vários ritmos, Forró, Baião, Xaxado, Xote num momento de alegria e descontracção.

 


PARAPENTE 700 E JUAN DE LA FUENTE [PT/ES]

Entre mazurkas de água, polskas de ar, círculos de terra e scottishes de fogo renova-se, interpreta-se e cria-se. Entenda-se que aqui transformam-se músicas tradicionais de outrora e compõem-se outras, fundindo as inspirações actuais com os traços do passado. Viaja-se pela Europa fora, reunindo danças italianas, francesas, suecas, portuguesas e outras que tais. O grupo nasce do improviso musical, de encontros espontâneos num microclima de chão dançante. Os três músicos fundem experiências de universos distintos, desde o flamenco, à música erudita, passando pela música improvisada, sendo o elo de ligação entre estes a música tradicional.

DELICATESSEN [PT]

Inspirados pelo ambiente sonoro francófono, David Rodrigues (cordofones) e Vicente Camelo (concertina) compõem este duo Delicatessen. Juntos propõem-se a um baile tipicamente “francês” que funde as sonoridades tradicionais adicionando um recorte contemporâneo.

Oficina de Dança Grega Antiga com Claúdia Laia

Dança expressiva, metódica e plena de significado, a dança Grega Antiga resulta da recolha e interpretação de inúmeros vestígios arqueológicos desde o período pré-helénico à época clássica. Do bojo dos vasos à arquitetura dos templos, das peças de teatro às narrativas dos mitos encontramos na dança grega antiga uma arte criada pelos deuses, que integrava as celebrações cívicas, os ritos funerários, o treino militar e a educação dos jovens.
Sabemos que na Grécia antiga uma boa educação consistia em cantar e dançar bem, que havia cortejos dançados e danças de luta, que a dança servia para expulsar os maus humores e que os homens que honravam melhor os Deuses pela dança eram também “os melhores no combate”

A oficina de dança grega antiga, da autoria do grupo Terpsichore, é uma aula de introdução à dança da antiguidade helénica e inclui diferentes componentes tais como a quironomia (dança através de gestos), a pírrica (danças em armas) e as danças rituais e de roda, a partir de um trabalho contínuo de investigação realizado na Grécia.

Oficina de Danças da Gasconha com Matias

Nesta oficina de danças tradicionais, será proposto uma viagem incrível à diversidade dos repertórios da Gasconha (região no sudoeste de França), que vai desde os Rondeaux, às Branles Béarnais, aos Congos e outras danças. A descoberta ou aprofundamento dos passos básicos dos Rondeaux, onde serão adicionados alguns elementos de gesto e de estilo, a relação com a música e a dança, o aspecto coletivo e as possibilidades de interpretações pessoais.

Oficina de Danças Circulares Sagradas com Leónia de Oliveira

A Dança Circular Sagrada é o resgate de uma prática ancestral muito antiga e profunda, vestida para os tempos atuais e que conecta as pessoas de forma harmoniosa, e em que o foco principal não é a técnica, mas sim o sentimento de união de grupo, o espírito comunitário que se instala a partir do momento em que todos, de mãos dadas, se apoiam e partilham juntos . É indicada para pessoas de qualquer idade, raça ou profissão, auxiliando o indivíduo a tomar consciência de seu corpo físico, acalmar a sua parte emocional, trabalhar a sua concentração e memória e, principalmente, entrar em contacto com uma linguagem simbólica, que embora acessível a qualquer um, não é utilizada no dia a dia.

A dinâmica das Danças Circulares Sagradas é simples. Ensina-se o passo, treina-se em roda, depois dança-se a música e aos poucos as pessoas começam a interiorizar os movimentos, libertar a mente, o coração, o corpo e o espírito.

As músicas escolhidas são de todos os países e as danças podem ser tradicionais, regionais,folclóricas ou contemporâneas.

Oficina de Forró com Espaço Baião

Esta oficina tem como objectivo partilhar os passos base do Forró de forma a que sejam aplicados no baile. De forma descontraída e divertida, serão introduzidos a base um e dois e alguns dos giros mais simples.

Espaço Baião: O Espaço Baião é o culminar de mais de 20 anos de pesquisa e de amor a uma cultura e um estilo musical: o Forró. Após a dinamização de bailes de Forró em muitas das melhores salas de Lisboa como A Voz Do Operário, Santiago Alquimista, Teatro do Bairro, CineTeatro A Barraca, B-Leza, Mercado da Ribeira, Teatro da Comuna e tantos outros, Enrique Matos, fundador do Projecto Forró de Lampião, abre agora as portas de um espaço onde se respira e se sente a Cultura Brasileira, o Forró, o Samba, a Capoeira entre muitas outras formas de expressão de arte. Hoje, o Espaço Baião, reúne alguns dos melhores profissionais da dança tendo como missão tornar-se uma referência nacional e internacional no que toca a formar novos bailarinos e elevar o nome e a cultura do Forró no mundo. Neste espaço cultural, são desenvolvidas diversas atividades de cariz cultural mas também social. Sessões de cinema, tertúlias, eventos exteriores e muito outros acontecimentos, são apenas alguns dos componentes do diversificado calendário do Espaço Baião. O Espaço Baião organiza diversos eventos anuais de Forró com especial destaque para o Baião in Lisboa Festival, um evento que recebe desde 2011 pessoas dos quatro cantos do mundo para partilhar uma paixão, o Forró. Organiza também o Maria Bonita Festival, um festival dedicado ao papel da mulher na dança, que tem vindo a crescer e a tornar-se um evento com força no mapa dos eventos deste género. Para além dos festivais próprios, o Espaço Baião está presente e faz parceria com outros festivais de dança de grande importância no panorama dos festivais de dança nacionais e internacionais o que faz com que conheçam e enriqueçam sempre mais a sua força de estar no meio da música e dança.

Oficina de Inversões com Natércia Lameiro

As danças tradicionais permitem-nos dançar em vários formatos; a pares, em roda, em linha, em quadrilhas, em colunas, etc. O facto das coreografias se basearem em esquemas que se repetem, torna mais fácil a sua aprendizagem. Estas também permitem assim abranger um maior número de bailadores face a outros estilos de dança. No entanto, às vezes apetece variar. Variar o formato, a coreografia. E é por isso que neste workshop vamos virar tudo de pernas para o ar. Vamos trabalhar as inversões como uma ferramenta base para a variação e o improviso. Não só ao nível da coreografia mas também do próprio formato da dança.

Oficina de Cante com Celina da Piedade

Oficina de Música e Canto da Gasconha com Didier Olivier (La Base Duo) 


Da música à dança reunida nos anos oitenta na Gasconha, propomos uma oficina para todos os instrumentos folclóricos como o violino, o violão, o acordeão, etc com Didier Oliver, assim como uma oficina de canto com Joachim Montbord do La Base Duo. O trabalho incidirá sobre o ritmo da música e dança da Gasconha, bem como na aprendizagem de algumas canções tradicionais e melodias do sudoeste da França.
É importante que os participantes que lpretendam participar na oficina de instrumentos, tenham um nível mínimo de conhecimento dos mesmos.

Talego


Talego é um projeto de música popular que transporta consigo modas do cancioneiro tradicional alentejano. Formado por três músicos, Gabriel Costa, João Paulo e João Nunes, este grupo explora os temas através de instrumentos como a viola campaniça, a guitarra, a viola e o baixo, aos quais se juntam as suas vozes. Uma aposta numa nova abordagem ao cante tradicional alentejano.

Grupo Terra Branca


Arlindo Costa, líder do grupo Terra Branca, é um músico que tem o Alentejo na voz. As melodias da planície do Campo Branco saem-lhe da alma através do seu cante e da riqueza do seu timbre. Ao longo do seu vasto percurso, muitos foram os passos dados na música, quer como professor, quer como intérprete do cancioneiro tradicional do Alentejo, mas também como compositor de temas como “Terra Branca” que dá nome a um dos seus discos. Foi também fundador do projeto musical Canto Chão. Em Entradas vamos poder escutar modas alentejanas com arranjos que se revestem de outras influências musicais.

Trigo Roxo


O projeto conta já com 3 trabalhos discográficos, sendo eles “Se fores um dia a Serpa” de 2005, “Café Chique” de 2009 e “Vai haver Chinfrim” de 2017. Durante o ano 2019 o Trigo Roxo planeia trabalhar um novo disco que contará com algumas surpresas. Este grupo tem 8 elementos e combina na perfeição o trabalho de vozes com 2 violas, um cavaquinho com ritmos e solos bastante elaborados, bem como com a percussão, juntamente com um trabalho de viola baixo marcante e a harmonia de um acordeão que salta à vista e dá a mostrar que é um instrumento que tem muito para dar.

Campos do Alentejo

O grupo coral e instrumental “Campos do Alentejo” tem como objetivos a criação, preservação e divulgação da música tradicional do Alentejo. Formado em 1983 e atualmente composto por 13 elementos, todos eles do concelho de Alvito, o grupo já gravou os álbuns “Pombinha”, “Vila Branca”, “Alvito”, “Horizontes”, “Memórias” e “Todo o Alentejo”. Em todos estes registos há modas originais e naturalmente temas populares.

Grupo Primeira Forma e Grupo de Concertinas Águias Vermelhas

A música popular vai andar pelas ruas, cafés, restaurantes e outros espaços de Entradas. O Grupo Primeira Forma anima ainda a visita à Herdade das Fontes Bárbaras. Há 5 anos que tocam percorrendo diferentes lugares do país. Composto por sete elementos do Minho e Trás-os-Montes, mas residentes no Seixal, a sua intervenção é feita com base na música Popular portuguesa. A animação musical de rua é também feita pelo grupo de concertinas Águias Vermelhas, de Charneca da Caparica.

Banda da Sociedade Recreativa e Filarmónica 1º de Janeiro

A Sociedade Recreativa e Filarmónica 1º de Janeiro conjuntamente com o INATEL e a Câmara Municipal de Castro Verde criaram uma Escola de Música que deu origem à atual Banda. Depois de 35 anos de interregno a Banda saiu novamente à rua em março de 1983. Desde então têm dado passos firmes na sua longa carreira e é notória a sua qualidade artística. Têm atuado em diversos festivais e iniciativas e em 2007 gravaram um trabalho discográfico.  Atualmente a banda é dirigida pelo maestro Luís Afonso.

O Cante no Entrudanças

O cante Alentejano, sendo tradição forte desta terra, marca presença no festival. A praça Zeca Afonso, o Museu da Ruralidade ou a Biblioteca Municipal são alguns dos espaços onde podem ser escutados os grupos corais convidados. Mas em Entradas há também, certamente, cante informal a acontecer à roda de uma mesa, de um petisco, de um copo de vinho. Deixe-se encantar por estas melodias do Alentejo e aprenda também umas modinhas nas oficinas de cante que serão aqui dinamizadas.

Oficina de acrobacias, artes plásticas e histórias

As aventuras do Roberto: Tum Tum Ai
Tum Tum Ai é uma história para ouvir rodeado de amiguinhos com os irmãos os pais os avós os primos até mesmo c’os vizinhos!

O Roberto é um monstrinho e o Pradiante um passarinho. Todos os que os ouvirem não vão ficar quietinhos: fazem-se acrobacias todos juntos pelo chão; sobe-se lá bem alto mas sem nenhum trambolhão; no final termina-se com desenhos e pinturas; tudo isto nesta história que é uma grande aventura!

Oficina de Luz, som e Magia…à brincadeira com Taças Tibetanas com Tânia Faísca

As Taças Tibetanas são instrumentos mágicos que este Entrudo te vão levar numa viagem… Plim… acende-se uma luz, és uma borboleta. Plom… uma luz que se apaga, uma semente que germina e uma árvore nasce. Plim… plom… já as ouves?

Magia com Serge & Faty

Olímpio Almeida é um profissional de magia desde 1984, entre muitos prémios obtidos na sua longa carreira destaca-se o Galardão de Mágico do Ano, atribuído pelo Clube Ilusionista Fenianos, pelo reconhecimento do trabalho desenvolvido em prol do Ilusionismo.
Serge & Faty apresentaram os seus espetáculos em vários programas televisivos e passaram pelas mais diversas salas do país. No festival Entrudanças prometem muitas e boas ilusões para todas as idades.

Visita à Herdade das Fontes Bárbaras

A Herdade das Fontes Bárbaras, está situada num típico Monte Alentejano, onde se pode desfrutar a Natureza no seu ambiente natural e puro e ainda observar a fauna local.

Inserido nos 162 hectares da propriedade agrícola, onde a cultura predominante é a vinha. Para além da vertente vinícola a Herdade especializou-se na área do turismo rural e enoturismo. A Herdade está inserida na Zona de Proteção Especial (ZPE) de Castro Verde, uma das zonas de estepe cerealífera mais significativas de Portugal e uma das mais importantes da Europa, onde se poderá observar várias espécies de aves como a Abetarda, o Peneireiro – das – Torres, o Grou e o Sisão, entre outras. As duas primeiras espécies são consideradas, globalmente, ameaçadas.

Castro Verde foi classificado pela UNESCO como Reserva Mundial da Biosfera.

Visita ao Museu da Lucerna

O Museu da Lucerna abriu no ano de 2004 e oferece-nos uma coleção única de Lucernas da época romana (Século I-III d.C.), descobertas em 1994, na localidade de Santa Bárbara dos Padrões. Os milhares de lucernas trazidos à luz do dia durante os trabalhos arqueológicos, permitiram preparar e mostrar ao público um conjunto único desses utensílios de iluminação, decorados com os mais diversos motivos. Desde cenas da vida quotidiana ao universo mitológico da Antiguidade, passando por representações de animais a simples objetos. O Museu, para além das exposições temáticas e temporárias que oferece ao visitante, pretende ser também um centro de estudo de Lucernas. Este é um projecto de parceria entre a Cortiçol – Cooperativa de Informação e Cultura de Castro Verde e o Município de Castro Verde.

Uma oportunidade para conhecer este espólio através de uma visita guiada que conta ainda com o cante das Camponesas de Castro Verde e a música do grupo de concertinas Águias Vermelhas.

Partilhar
  • 86
  •  
  •  
  •  
  •  

Scroll to top